A decisão idiota mais inteligente da minha vida… Nomade Digital na Tailândia

Ficaram confusos com o titulo? Ainda bem, pois era mesmo esse o objetivo.

Hoje estou a pensar o quão idiota foi a minha vinda para a Tailândia. E não é que a decisão de vir foi mesmo idiota? Talvez a coisa mais “No sense” que fiz nos últimos tempos, claro, talvez após a decisão repentina de ir para o Brasil (e ter realmente ido e ficado por 2 anos). Planeamento ou planejamento como dizem os amigos do Brasil, é algo que nunca foi a minha praia, não adianta mentir, eu sou uma pessoa completamente desorganizada mas que se tem dado bem, uns chamam sorte.. mas pronto, adiante.

Quais eram os meus planos?

Depois dos meus caros amigos nomades Tiago Martins e Anthony Vendeirinho da Fuse Coders terem ido e voltado da Ásia, em especial da Tailândia, eles praticamente convenceram me que eu deveria ir também……. para aquele pais maravilhoso com uma cidade cheia de shoppings e street food, para além das suas praias exóticas de água quente e ilhas tropicais. E claro, quem diria que não? Eles falavam que era bom, seguro e barato… Bem, não preciso de dizer mais nada não é?

No entanto, a minha situação financeira estava apertada, depois de ter largado a minha vida que vinha construindo por 2 anos no Brasil, ter feito algumas decisões erradas e de ter visto um corte nos anunciantes no ano anterior, eu estava decididamente focado em colocar os negócios a render e essa deveria ser a minha unica preocupação… E assim foi, por praticamente 5-7 meses, as coisas estavam a evoluir devagarinho e eu falei para eles:

Se conseguir determinado valor/meta até Setembro, eu vou com vocês!

E agora vocês pensam.. eu consegui por isso eu fui, aliás, eu vim, pois neste momento estou na minha varanda em plena cidade de Bangkok a atualizar o meu blog, coisa que já não fazia faz muitos meses.

Não, eu não fiz nada do que eu queria! Eu estava a 10-20% da minha meta, mas mesmo assim o desejo de sair de Portugal era maior que qualquer objetivo que eu tinha definido. Não sei porquê, nunca soube explicar, deve ser só mesmo do meu mau feitio, eu não consigo gostar de Portugal.. Então cada vez que “saio de casa” vou para 10mil km de distância eheheh.

O que aconteceu..

Bem, eu decidi vir, e eu vim. Eu tinha definido três coisas para a minha vida, abrir empresa novamente, desta vez em Portugal, largar o meu lado obsessivo por bens materiais inúteis que por algum motivo desejava ter e depois de ter ficavam no canto e uma que eu fui aprendendo a gostar, conseguir colocar toda a minha vida numa mochila, viver de forma simples e minimalista, ter menos coisas e viver só com aquilo que realmente preciso..

Hoje a minha vida resume-se ao meu computador, cartões de débito e crédito, telemóvel, algumas roupas (não muitas), chinelos, ténis, relógio, mochila e produtos de higiene. Posso mudar de casa quando eu quero sem ter de me chatear com o que tenho de levar às costas. Já fui comprar roupa aqui na Tailândia, por duas vezes, e não fiquei com mais peso, simplesmente doei as antigas que se encontravam em bom estado.

… e viajar para a Ásia. Quem me conhece de perto sabe como eu sou vidrado em cultura oriental, fanático pela China e pelo Japão, babo com artes marciais, cinema asiático, espadas (katana) de Samurai, costumes e tradições… e já que ficou decidido vir para a Tailândia por uns meses imaginem todo o mar de oportunidades de realizar o meu sonho de vir para a Ásia e entrar em cada um dos países que me fascinam desde pequeno enquanto assistia Samurai X.

Adiante, adiante…

Fiz a minha mochila, comprei uma mochila bem simples (Cabin Max Oxford) com as medidas exatas da bagagem de mão, não era a mais bonita porque tive azar com a Amazon por três vezes, eu queria uma mochila da Osprey e sempre que comprava recebia uma mensagem (após a compra) que ela estava esgotada, à terceira acabei por desistir e comprei uma mais barata e aparentemente prática e espaçosa.

mochila nomade digital tailandia
Preparação da mochila para a viagem e o inicio de uma jornada nomade digital pela Ásia – Não sou muito bom com este tipo de fotos eheh

P.S.: Com uma mochila destas poupam tempo, não há bagagens de cabine, atrasos ou bagagem perdida.

O visto no dia 17 fiz o visto, junto com o Tiago Martins na embaixada da Tailândia em Lisboa, levou 1 ou 2 dias (não me lembro bem) para fazer, ficamos uns dias em Lisboa num apartamento bem porreiro bem do lado dos verdadeiros Pastéis de Belém, foram alguns dias maravilhosos de troca de ideias e muito trabalho.

google analytics
Eu, o Tiago e a Inês a trabalhar em algum Starbucks por Lisboa. Belo gráfico eheh

A viagem.. direto a Lisboa, onde fomos para o Terminal 2 do Aeroporto para o nosso voo da Easy Jet direto a Madrid onde ficamos por algumas horas bem aproveitadas a trabalhar e sem dormir, seguidas de um vôo para o aerorporto de Abu Dhabi onde chegamos bastante atrasados e tivemos de correr pelos corredores imensos do mesmo, chegando bem à última da hora no que seria o nosso último vôo antes de aterrar no nosso querido destino final.

analytics aeroporto madrid
A passar o tempo no Aeroporto de Madrid, reparem como sou um gabarolas ostentador, mais um belo analytics do meu blog.
aviao abu dhabi
Emirados Árabes Unidos, entretanto desculpem a qualidade do meu Sony Xperia, sorte que já o aposentei e entretanto comprei um Iphone 6 Plus

A minha viagem começou mal, muito mal mesmo, com um frio na barriga, algum stress ligeiro (felizmente o Brasil tornou-me uma pessoa mais “zen” ou eu estaria a vomitar stress e a gritar ao mundo os meus problemas eheh), tinha comigo um cartão de débito do BPI, um cartão de crédito Neteller, um cartão de crédito ViaBuy e um cartão de débito do ActivoBank. Qual não é o meu espanto, quando me acabam as moedas e tento comprar um chocolate na área Free do aeroporto de Madrid e TODOS, sim TODOS os cartões são recusados… quando estava um dinheirão em todas as contas e os pré pagos tinham montantes a rondar os 200 euros cada. Óbvio que stressei e me preocupei um pouco, já que levava uma porrada de cartões de backup e nada funcionava naquele momento, tentei ATM, tentei maquinas de vendas e nada.. Em Bangkok os mesmos ficaram sem funcionar por cerca de 2 semanas, sorte que fui pedindo favores e fazendo transferências por paypal e os meus amigos levantavam o dinheiro para mim. Mas pronto, tudo se resolveu … nem sei como e porquê e coincidentemente todos voltaram a funcionar ao mesmo tempo.

F#da-se chegamos! Finalmente… Nunca na minha vida tinha feito uma viagem tão chata, tão cansativa, tão nem sei descrever.. Levem-me para o Brasil de novo, quero vôos de 10 horas diretas, mas não me obriguem a trocar de avião e voar por mais de 12-14 horas, é torturante. eheh

Bangkok, oriental setting
And the city don’t know that the city is getting
The creme de la creme of the chess world….

Vou deixar a parte de falar da Tailândia, em especial de Bangkok e dos outros distritos ao lado para um próximo post, este já vai nas mil palavras e eu ainda nem expliquei o porquê disto ser a coisa mais a idiota da minha vida e também a mais inteligente. (o post tinha 4500 palavras, adaptar a partir daqui e deixar o restante para outros posts, estou com pena de vocês – vamos ficar pelas 1900 eheh)

Mas porquê?!

Bem, como eu referi bem no inicio, eu não estava na situação mais favorável do mundo para simplesmente largar mão da minha vida de baixo custo em Portugal, visto estar numa fase de “começar do zero” (sem começar propriamente do zero) e já andar nisso à alguns meses sem grandes resultados, tudo crescia devagarinho, e a decisão de vir para a Tailândia foi algo de gatilho, tinha planeado vir em Setembro, mas houve uns problemas nos negócios e tive de investir algumas das minhas poupanças pelo que tinha falado para mim mesmo que estava fora de questão e iria adiar para Janeiro de 2016 (este mesmo mês) a ida para a Tailândia, era mais seguro e deixava-me mais confortável. Mas… um empreendedor digital confortável, bem.. vocês sabem.. NUNCA NA VIDA eheh. Eu transpiro desconforto, eu invisto em coisas absurdas e eu trabalho de forma insana.

Em Setembro o Tiago Martins enviou-me uma mensagem, “Olha, consegui o bilhete para a Tailândia por X, vens ou não?” e eu sem pensar muito disse que sim, ele comprou os bilhetes, transferi o dinheiro para ele e pronto, a viagem para a Tailândia estava confirmada, tínhamos visto agendado para dia 17 de Novembro, Vôo para Espanha no dia 24 e võo para a Tailândia no dia 26. Lá fomos nós…

Fiz algumas parcerias e sociedades ao longo do ano, começaram a dar frutos, frutos bem grandes e com muito sumo no final do ano, mas isto só depois de chegar a Bangkok, engraçado a decisão foi muito sem noção, até porque a vida de mochila não era propriamente algo que estava habituado e acabei por me forçar a trabalhar muito mais nos últimos meses e também adaptar a um estilo de vida mais minimalista para quando chegasse.

Cheguei… duas semanas para me adaptar e voltei ao hard work, complementado pelo hard work anywhere que eu tanto adoro.

Graças ao meu parceiro André, os negócios tiveram sempre a bombar enquanto eu me adaptava e passeava um pouco por aqui e deram bastantes frutos.

Para além disso fechei uma parceria com o Alejandro que também já começou a dar os seus resultados e basicamente em menos de 1 mês uma situação pouco confortável deu resultados de excelência, mas claro, não me deixou confortável, até porque é algo a evitar, se me começar a sentir muito confortável “cai tudo”, então é isso…

Fui forçado a mudanças que eu queria fazer, mas nem tinha começado, fiz crescer 2 negócios bastante porreiros a longo prazo e acima de tudo consegui uma certa auto-realização por poder viver na Ásia por uns tempos.

Não sei quanto volto, não sei qual o próximo país, só sei que enquanto estiver com o meu computador, acesso à Internet e poder fazer os horários que quero e trabalhar tranquilamente onde quero, estou feliz, estou motivado e estou a dar o melhor de mim como sempre fiz!

pequeno almoco bangkok

praia rayong tailandia
Praia na cidade de Klaeng, distrito de Rayong – Areia fina e água quente
menu restaurante vietnamita
Menu de um restaurante Vietnamita. Prova que nem tudo está adaptado ao turismo… mesmo numa cidade gigante e super turística.
rooftop nonthaburi
Com o Tiago, Anthony e a Sinee no Roof Top do Tiago em Nonthaburi
taxias bangkok ratchada
Ratchada Road numa tarde normal. Pormenor dos Taxi cor de rosa.
reesort rayong klaeng
Resort no meio da “Selva” no distrito de Rayong.
restaurante japones tailandia
Eu com um recém amigo Thai em algum restaurante Japonês no centro de Bangkok

Resumindo..

Estou bem, estou feliz, zen, contente, motivado, cheio de ideias e a trabalhar arduamente para manter tudo a funcionar.

Ainda bem que tive a ideia idiota de aceitar à ultima da hora vir e não ter ficado no tédio em Portugal eheh

Mais um país para a lista dos “locais onde eu já vivi”, afinal de contas estou a viver aqui, sou um pseudo turista, não larguei a minha vida, trouxe ela comigo.

Não gosto muito de aparecer em fotos, mas tenho tirado algumas, podem seguir o meu Instagram.

Não percam os próximos episódios 😀 A Jornada Nomade Começou!!!

Entretanto pensei em fazer vlog, ando tentado desde que fui para o Brasil em 2013, mas ainda estou com vergonha da câmera eheh

  • Já tive as minhas epifanias acerca do valor do meu tempo à custa de achar (e com razão) que o estava a desperdiçar … ver aqui.

E pronto, é isso! Obrigado pela atenção, sucesso e um abraço.

0
(Visited 75 times, 1 visits today)

21 Comments

  1. Vitor Micillo Junior 13 janeiro, 2016 at 18:20

    Grande Jóni, saiba que nos aqui do Brasil estaremos de braços abertos para te receber.
    Não conversamos muito como eu gostaria mas te desejo muitas aventuras e sucesso de coração.
    Um grande abraço e precisamos conversar…

    Reply
    1. Jóni Oliveira 13 janeiro, 2016 at 18:23

      Obrigado Vitor 😀 Nos vemos em breve

      Reply
  2. Tiago Martins 13 janeiro, 2016 at 18:21

    Este é daqueles artigos que pessoalmente me arrepia porque a nossa vida como empreendedores tem tantos altos e tantos baixos que é preciso muita força de estômago para não “vomitar” (como dizes no teu artigo).

    A compra do bilhete para a Tailândia foi mesmo à campeão, sem garantias financeiras nenhumas, mas deu-me na cabeça compra-lo, sorte que não sou o único maluco para alinhar nestas aventuras.

    Numa fase que ambos estamos com as nossas startups a fazer bootstrap do zero (para quem não sabe: gerar dinheiro sem investimento externo) tornou esta loucura ainda mais complicada, no meu caso reduzi o vencimento mensal em 60%, o que me deixou meio zonzo com a minha vida pessoal.

    Todos os dias acordo literalmente “pobre”, numa ilha paradisíaca com tudo o que necessito e com o meu negócio a crescer gradualmente apesar de todas as barreiras existentes. Só isto já me faz uma pessoa genuinamente feliz.

    Abraço e vemo-nos brevemente em Koh Samui.

    Reply
    1. Jóni Oliveira 13 janeiro, 2016 at 18:22

      O que seria da vida sem uma aventura… 🙂
      Eheh, mais uns dias e Samui o/

      Reply
  3. Cleiton Pardim 13 janeiro, 2016 at 22:11

    É Jóni a vida de um aventureiro é de correr riscos e imprevistos, mas com força e determinação a de superar todos obstácuos>!!!! Abraço.

    Reply
    1. Jóni Oliveira 14 janeiro, 2016 at 8:26

      É verdade Cleiton. Abraço 🙂

      Reply
  4. Fernando Amaral 14 janeiro, 2016 at 9:41

    Inspirador, como sempre! Ainda não tive t*m#t€s de reduzir tudo a uma mochila e ir para longe de casa, mas sinto o bichinho.

    Já fazias era isto em formato vídeo, dava um canal do caraças!

    Reply
    1. Jóni Oliveira 14 janeiro, 2016 at 9:45

      Obrigado pelo comentário “mestre”!
      Eu estou a pensar fazer em vídeo, falta a coragem eheh

      Reply
  5. Manuel Moreira 14 janeiro, 2016 at 10:23

    Ah ganda aventura, sim senhor. Aproveita.

    Reply
    1. Jóni Oliveira 14 janeiro, 2016 at 10:36

      Aproveitarei 😀

      Reply
  6. Bruno 16 janeiro, 2016 at 14:24

    Inspirador. Parabéns e boa sorte Jóni.

    Reply
    1. Jóni Oliveira 17 janeiro, 2016 at 8:52

      Obrigado 🙂

      Reply
  7. Aldo 30 janeiro, 2016 at 0:48

    Cara esse seu amigo Thai, parece o Chao do “Se Beber não Case II”.
    E não poderia sair sem dizer: Parabéns!
    Cara tenho 17 anos e estou estudando Marketing Digital, faço 18 em 29 de junho desse ano (2016) e hoje dia 29 de Janeiro, faltam exatos 5 meses, e penso comigo: Aonde estarei até lá? E tenho seu site na barra de favoritos, não sei o por qual motivo mas vim aqui, e vendo você e suas experiências mundo a fora, mudou algo sabe, não sei se aumentou meu animo, ou algo sim, sei lá, alguma parada tá diferente e.e
    Agora vou ter ir ali, por que tenho um curso para estudar! Vlw seu site é mt bom!

    Reply
    1. Jóni Oliveira 30 janeiro, 2016 at 17:19

      Comecei aos meus 17 anos também Aldo.
      Muita coisa na Internet para aprender, criar um negócio a sério e consistente.
      Estou com 23 agora e continuo por cá.

      Abraço e obrigado

      Reply
  8. Matheus Santiago 5 março, 2016 at 3:39

    Muito inspirador, acabei chegando aqui de paraquedas no seu blog, estou gostando muito do conteúdo por acha que se plicam em boa parte pelo que eu tenho passado.

    Reply
    1. Jóni Oliveira 21 março, 2016 at 9:45

      Bacana Matheus 😀 Sucesso nos negócios digitais.

      Reply
  9. Cristiano 29 abril, 2016 at 4:24

    Parabéns Jóni um dia eu quero chegar aonde você está poder viajar o mundo.

    Reply
    1. Jóni Oliveira 1 maio, 2016 at 15:42

      Vlw Cristiano, é só querer 😀 Abc

      Reply
  10. Nuno Cabral 3 maio, 2016 at 13:52

    Joni,
    admiro a tua coragem e a tua força de vontade.

    Abraço

    Reply
    1. Jóni Oliveira 3 maio, 2016 at 15:12

      Viva Nuno,
      Só a aproveitar a vida enquanto posso eheh
      Abc

      Reply
  11. Pingback: Nomadismo Digital, viver desapegado, dinheiro necessário e outros

Leave A Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *